Caçadores em Tapuio

Três semanas atrás, flagramos dois caçadores aqui em Tapuio. Subiram aqui de tarde, quando ainda tinha gente colhendo café. É muito cara de pau, não acha? São de Piúma e conhecem bem essa área. Como é que conhecem essa área? Como é que se sentiam com direito de vir aqui e pilhar, completamente indiferentes à noção de propriedade?

Como na maioria de crimes desse tipo, suponho que tem alguém daqui que facilita. Alguém ensinou o caminho.

Anotamos as placas, tiramos fotos das motos, ligamos para a polícia (que tentou vir mas não conseguiu subir). Sabemos quem são. Fiz boletim com a polícia. Também mandei essa informação para o IBAMA. Não sei o que farão com essa informação. Alguém me falou que viu a polícia prendê-los na noite que ligamos, só para soltá-los poucos minutos depois. Com certeza esconderam as armas e não pode ser preso só por estar na estrada. 

De qualquer jeito, acho difícil esses dois voltarem caçar aqui. Mas não são os únicos. E as minhas perguntas ficaram.

Como eles se sentiam tão indiferentes a tudo e a todos, pensando somente em suas vontades?

Aqui no Brasil existe o ditado: Cada um por si e Deus para todos. Eu sempre entendia isso como uma expressão da ideia de um pai que ama e protege todos os seus filhos igualmente, apesar dos defeitos e falhas dos filhos. Agora entendo de outra forma: Deus é apenas mais um recurso para explorar, acessível para todos. Egoísmo e exploração liberados para todos. Extrativismo espiritual refletindo o extrativismo social e o extrativismo de recursos.

Aqui eu poderia falar das consequências de tamanho egoísmo para a sociedade. Quais são as consequências da corrupção no governo? Quais são as consequências das multidões de motoqueiros que estragam as estradas de Tapuio em nome de prazer? ou de caçadores que destroem o ambiente, indiferentes à destruição e sofrimento que causam? ou do fazendeiro que derruba a última árvore?

Ninguém quer saber. Querem me mandar para o inferno. 

Deus é para todos e cada um por si. 

As consequências são óbvias. A mais óbvia é essa:

Brasileiros que podem, fogem.

Quer mais? 

Sabe o que é? É o mundo em 2100, daqui a 83 anos. Se não reduzirmos emissões de carbono, e se não reduzirmos nosso consumo, principalmente de comidas recurso intensivas/pesadas (ex. destruição de matas para criar pasto resultando numa redução em biodiversidade, secas, e uma dependência de um produto cada vez mais caro, a carne, como a única fonte da maioria dos nutrientes (e resultando em desnutrição para as classes economicamente mais vulneráveis), esse será nosso futuro. O marrom não é bom. Basicamente, o Brasil se tornará inabitável. 

Essa mudança não acontece de um dia para outro. É um processo gradual. Já começou, acionado por nosso egoísmo, nossa indiferença, nossa fé no “direito” de extrair da terra e do ambiente sem consideração das consequências, acreditando que Deus vai dar um jeito. 

No online Universe-Review, se encontra essa informação: 

 

On February 2007, the IPCC (Intergovernmental Panel on Climate Change) released some climate change statistics through a very rigorous process, which excludes researches deemed controversial (such as the slowing down of the North Atlantic Gulf Stream), not fully quantified (e.g., the breaking up of Antarctic ice sheet), or not yet incorporated into climate models (discarding the real-world evidence of 88 cm per century for worst-case sea level rise):

      •  The atmosphere is warming up 0.13oC each decade in the last 50 years.

  • Annual CO2 growth rate during 1995-2005 is at 1.9 ppm/year (see more in Figure 10-39c).
  • The oceans have warmed to a depth of 3 km since 1961 absorbing more than 80% of the heat added to the climate system. Thus, even if there is no CO2 emission, this heat reservoir would continue to warm up the atmosphere by 0.1oC per decade.
  • Sea level rises 1 – 2 cm in each decade during the 20th century.
  • The amount of man-made heating entering the Earth’s climate system is more than 10 times of the radiation from the Sun (see Figure 10-39d).
  • • The certainty is 90% that we are to blame.The harmful effects of global warming on daily life are already showing up, and within a couple of decades hundreds of millions of people won’t have enough water. At the same time, tens of millions of others will be flooded out of their homes each year as the Earth reels from rising temperatures and sea levels. Tropical diseases like malaria will spread. By 2050, polar bears will mostly be found in zoos, their habitats gone. Pests like fire ants will thrive. For a time, food will be plentiful because of the longer growing season in northern regions. But by 2080, hundreds of millions of people could face starvation, according to the report, which is still being revised. The warming trend will likely deliver an ice-free Arctic and a 30% drop in rainfall in many subtropical region. Meanwhile, higher latitudes will get wet wetter as the air warms and storm tracks move, and hurricanes will become more intense. See details in the IPCC website. See also the “Climate Change” site provided by the Nature magazine.
  • Most of the tropical regions between 30o and -30o latitude will become uninhabitable desert.
    Even if parts of the region have not been consumed by desertification, floods, drought or extreme weather will render such areas uninhabitable.

    Monsoon rains may lead to greening (reforestation) of a small portion of the tropic.

    Some coastal area and islands will be lost to rising sea levels (assuming a 2-meter rise).

    Human population will re-settle into the polar and sub-polar regions, which become food-growing zones.

    The abandoned tropical regions will be utilized to produce solar, geothermal, and wind energy.

    Human population will decline by the billions if the changeover process is not well managed.

    Human survival depends very much on whether the CO2 level can be reduced to 280 ppm (to the 1900 level as shown in Figure 10-39c). The natural reglation by marine animals turning CO2 into calcium carbonate shells does not work any more because the man-made increase has risen 14000 times as fast as the average of the past 610000 years.

Para quem lê inglês, pode ler tudo aqui.

Vocês repararam nessa frase: …by 2080, hundreds of millions of people could face starvation…. Até 2080, centenas de milhões de pessoas poderiam enfrentar fome. Não aquela fome das 10 da noite quando vai lá na praça e compra um sanduíche. Fome de não ter o que comer. Fome de morrer.

Indiferença, egoísmo, a rejeição de responsabilidade achando que algum deus vai intervir, não são posturas nem aceitáveis nem sustentáveis se o objetivo for a sobrevivência da humanidade. 

“Mas é só um caçador em Tapuio. Você está exagerando!” 

Hmmmm. Tapuio é um espelho. Tem milhões de Tapuios ao redor do mundo. 

E a indiferença, o egoísmo, a irresponsabilidade são universais.

Leave a Reply